Equipamentos

Aqui estão alguns itens da nossa lista de equipamentos  pra essa viagem (a maioria dos itens são 2 por sermos um casal) , em junho de 2018 saímos para a 2° etapa, então fizemos algumas adaptações e acrescentamos algumas coisas devido a faixa de temperatura que iríamos enfrentar

     (1° etapa)

  1. Barraca 4 pessoas
  2. Saco de dormir  -15 °
  3. Isolante  Térmico
  4. Travesseiro Inflável
  5. Conjunto de Sacos Impermeáveis
  6. Cantil de 6 L
  7. Cantil de 1.900 L
  8. Squeeze 900 ml
  9. Canivete
  10. Fogareiro multicombustível
  11. Pederneira
  12. Panela, cumbucas, garfo e colher pequenos e espátula de teflon
  13. Lanterna de cabeça
  14. Lanterna de mão com Placa Solar
  15. Lanterna de mão a energia elétrica
  16. Kit costura (Tesoura, Linhas e Agulhas)
  17. Alforge traseiro
  18. Bolsa de Guidão
  19. Bolsa de Selim
  20. Bolsa de Quadro
  21. Elásticos de Fixação
  22. Toalha de Microfibra
  23. Óculos Escuro
  24. Câmara reserva
  25. Kit remendo
  26. Silver Tape
  27. Fitas Hellerman
  28. Kit primeiros socorros (analgésico, antitérmico, própolis, gase, esparadrapo, polvedine, atadura, cura corte, algodão, alcóol gel)
  29. Kit costura (linha branco/preto, linha de nylon, agulha grossa/média e tesoura)
  30. Blusa Underwear
  31. Blusa fleece
  32. Corta vento
  33. Jaqueta Impermeável
  34. Calça Underwear
  35. Calça fleece
  36. Calça impermeável
  37. Calça bermuda
  38. 3 pares de meia
  39. 3 tops (Nataly)
  40. 3 peças íntimas
  41. Poncho
  42. Bermudas
  43. Pernito
  44. Manguito
  45. Luva dedo curto
  46. Luva segunda pele dedo comprido
  47. Luva impermeável
  48. Gorro
  49. Cachecol 

  (2° etapa)

Nessa etapa nossa pretensão era visitar o altiplano boliviano, o Peru e o Chile, portanto devido as condições climáticas daquelas regiões adaptamos alguns equipamentos e deixamos outros para trás.

 

– Barraca ( Trocamos as varetas de fibra de vidro por varetas de alumínio, também mudamos o sistema de passagem das varetas pra distribuir a força do vento e aumentamos o número de specks que prendem o sobreteto, as varetas de fibra são tão pesadas que mesmo aumentando tecido e specks na adaptação da barraca, ela continuou com o peso original, também impermeabilizamos o sobreteto. A mudança se provou boa, apesar de tomarmos vento forte e neve a barraca mal se mexeu, as varetas de alumínio e os specks adicionais conferiram a estabilidade que esperávamos pra dormir tranquilos)
– Isolante térmico (compramos mais um para cada pra melhorar o conforto, particularmente gostamos da leveza dos isolantes em EVA, o volume é maior, mas não nos incomoda, mesmo carregando dois fica muito leve.
– Manta extra (adquirimos duas mantas militares de cada pra colocar por dentro do saco de dormir, aumentando o aquecimento em temperaturas abaixo de zero)
– Meia extra (levamos um par de meias de lã grossa pra cada um, com o comprimento até o joelho pra melhorar o aquecimento dessa região em noites geladas), fez a diferença!
– Alforge traseiro/Allan (trocamos por um alforge menor, pois o da primeira etapa era muito grande e quando começamos a tirar o dispensável a sobra de espaço ficou obsoleto)
– Alforge traseiro/Nataly (tiramos a placa original de polipropileno que quebrou no primeiro buraco que passei no Uruguai e trocamos por uma de alumínio, que além de mais leve não ofereceu riscos com quebra)
– Bolsa de guidão (aumentamos o tamanho da nossa bolsa adaptando bolsos nas laterais para iliminar o uso da bolsa de selim e bolsa de quadro que incomodavam cada vez que tínhamos que descarregar a bicicleta tirando pequenas bolsas além do alforge e bolsa de guidão)
– Levamos também uma engenhoca no formato de uma capa de travesseiro que confeccionamos com manta de bebe (reciclamos mantinha aposentada da família) o material é algo parecido com um fleece, então ficou bem leve e funcional, o comprimento ficou um pouco acima do joelho, usamos 80% das vezes em que acampamos.